AS crônicas de Hell City- capítulo 2

Capítulo 2

Lorde Volmor

Já estava tarde, quando eu ainda estava sentada na minha escrivaninha pensando na foto que recebera esta tarde. Quem era Volmor?

Em todos esses anos de trabalho duro na redação, eu nunca vi a minha editora e agora agente literária tão interessada em uma pessoa. Realmente deveria ser muito importante essa informação.

Meu gato, sim eu também tinha um gato, afinal eu sou amante de felinos, acho que eles são o tipo de companheiro que jamais irão te abandonar, o típico amigo fiel que estará ao seu lado em todos os momentos.

- Branquelo – chamei-o em cima da minha escrivaninha.

O bichano ronronava à medida que eu acariciava suas orelhas. Um miado manhoso surgiu do felino, enquanto ele rolava de um lado para o outro com a barriguinha para cima, implorando mais carinho e atenção.

Abri a cortina da janela para observar o movimento da rua. Afinal eu estava um pouco entediada e sem sono.Nesse instante, eu vi Valderene caminhando sorrateiramente pela calçada. Ela segurava um envelope caramelo em suas mãos. Não parecia muito tranquila, visto que ela olhava constantemente de um lado para o outro como se estivesse em filme de ação.

Na esquina, de chapéu e fumando um charuto, havia um homem alto e encorpado. Vestia um terno italiano listrado. Não consegui ver a sua face, estava um pouco escuro. Fiquei aflita! Quem era ele?


Flash! Flash!


Não resisti! Fotografei o que estava acontecendo. Rapidamente dei zoom na imagem e lá estava ele! Volmor! Era muito assustador ter encontrado esse homem nessa situação. O que eles faziam tarde da noite em uma rua deserta? Colei meu nariz na janela, a qual rapidamente embaçou com a minha respiração ofegante e ansiosa.

Valderene se aproximou mais de Volmor e entregou-lhe o envelope caramelo, olhou novamente para os lados, assustada, mas seguiu o seu caminho de volta.

Volmor, aproximou-se da luz do poste, abriu o envelope, sorriu de lado, tragou o charuto e borrifou a fumaça para o céu. Acenou para uma senhora de capuz preto que acabara de cruzar o seu caminho. Então nesse momento, retirou o celular do bolso e fez uma ligação.

TRIMMMM

Pulei de susto quando o telefone do meu quarto tocou, corri para atendê-lo

- Alô?